01 julho 2019

Ajude nossa ONG


Nossa necessidade mais imediata é conseguir um caminhão de areia que custa em torno de R$500,00 (quinhentos reais). Ajude ou indique empresas que possam nos ajudar.

24 junho 2019

Dia Internacional contra o Abuso e Tráfico de Drogas



A Organização das Nações Unidas (ONU) definiu o dia 26 de junho como Dia Internacional contra o Abuso e Tráfico de Drogas. A data reforça a Campanha Internacional de Prevenção às Drogas
.
O psiquiatra Jorge Jaber, uma das maiores referências quando o assunto é conscientização e abuso de álcool e outras drogas, foi convidado a participar de atividades organizadas pela Subsecretaria de Estado de Prevenção à Dependência Química (SEPREDEQ), que acontecem na Praça XV, nos dias 25 e 26 de junho
.
O evento contará com a estrutura do Hospital de Campanha do Hospital Central do Exército, além de outros parceiros da SEPREDEQ.
.
A ONU deve lançar no dia 26 de junho o Relatório Mundial de Drogas contendo informações atualizadas sobre a produção e tráfico de drogas lícitas e ilícitas no mundo. 
.
O último relatório divulgado em 2018, com base nos dados apurados em 2016, mostra que o número de usuários que se drogam ao menos uma vez por ano chegava a 275 milhões de pessoas - cerca de 5,6% da população global entre 15 e 64 anos. E os jovens estavam entre os mais expostos ao consumo.

20 junho 2019

Haroldo Fonseca, apoiador da Mães do Brasil


Desde outubro de 2018 contamos com a parceria do empresário Haroldo Fonseca, na foto com a presidente Wal Ferrão no Station Coworkers, outro grande parceiro de nossa instituição. Haroldo apoia nosso projeto de educação Gente do Amanhã, servindo de intercâmbio a empresa Global Transport, que conduz nossos jovens, de van, nos eventos externos. Haroldo, que é ligado ao Instituto Mudando o Final, também auxilia doando alimentos ao nosso público atendido que tem necessidade. Conhece e apoie o trabalho de nossos parceiros @institutomudandoofinal @stationcoworkers

11 junho 2019

Linha cortante mata criança em São Paulo


No próximo dia 22 de junho fará um ano que Jefferson Matheus Duarte, de 7 anos, morreu degolado por uma linha cortante que atingiu sua traqueia. Ele soltava pipa com os amigos em Santos, litoral de São Paulo, e ao correr atrás de uma, se enroscou na linha que continha o produto cortante. O menino chegou a ser levado ao Pronto Socorro, mas não resistiu aos ferimentos. O responsável pela morte de Jefferson não foi identificado. 
Oriente seus filhos a não usar produtos cortantes nas linhas das pipas e a ter cuidado ao manusear pipas que caem após as disputas. Se a linha tiver material cortante pode decepar mãos, braços, pernas e atingir o pescoço.
Para que mais mortes não ocorram com crianças é que a Mães do Brasil está apoiando a campanha do Grupo Imortais de Motociclismo. #linhacortantemata

07 junho 2019

O preço de uma vida


Marcela de Souza Oliveira foi morta com um tiro na cabeça para que bandidos pudessem roubar seu celular, vendido posteriormente nas redes sociais por R$ 200,00. O corpo da jovem de 26 anos foi encontrado no último sábado, 1º, em um rio de Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense.

Quem era Marcela? Segundo seu tio, o jornalista Renato Barone, a bacharelanda em direito era uma moça meiga, carinhosa, caseira e vinha se dedicando a estudar para concursos públicos. Marcela era amiga dos primos e era uma apaixonada pelos animais. Em sua carma dormiam seus bichinhos, um cachorro e um gato. “Quando ela encontrava um animal machucado na rua, o levava para casa. Cuidava dele e quando ele se recuperava, o devolvia de novo para seu habitat. Ela fazia isso até com passarinhos”, lembra Renato.

A família deixou a Zona Oeste e mudou-se para Vila de Cava, uma zona rural de Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, há menos de 1 ano. O quarto de Marcela continua intacto. É uma maneira que a mãe, Maria Penha Oliveira, encontrou de matar as saudades da filha e tê-la presente. Em Vila de Cava, onde Marcela foi assassinada, seu pai julgava ser um local tranqüilo. “Eles deixaram a Zona Oeste na esperança desse local ser mais calmo. Infelizmente não há lugar calmo hoje em dia”, diz o tio.

Na semana passada, agentes da Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF) prenderam Moisés Amorim da Silva, 18 anos, suspeito de participar do assassinato da estudante. O corpo da jovem foi encontrado cinco dias após desaparecer. Apesar da dor da perda da filha, os pais de Marcela estão esperançosos e muito gratos com o trabalho da polícia. “Gostaríamos de destacar o trabalho do delegado da DHBF, Moyses Santana. A equipe de sua delegacia é muito especializada e tem dado muita atenção para a família. O delegado garantiu que os criminosos serão presos. Tudo é uma questão de tempo e isso nos conforta muito", finaliza.

31 maio 2019

Polícia investiga mais um desaparecimento misterioso no Rio



Um novo desaparecimento misterioso está sendo investigado pela Polícia Civil do Rio de Janeiro. O da estudante e bacharel em direito Marcela de Souza Oliveira, de 26 anos. Desde às 9 horas da manhã do último dia 27, a jovem não fez mais contato com os pais, últimas pessoas a vê-la. O contato se deu na casa do namorado de Marcela, o serralheiro Willian dos Santos, de 33 anos, onde ela passou a noite na Vila de Cava, Nova Iguaçu. Marcela ficou na residência, onde os pais foram procurá-la, para cuidar dos cachorros do namorado que já havia saído para o trabalho e não foi mais vista.
A família, junto com parentes e amigos da jovem, fazem campanha para localizá-la nas redes sociais.
O caso está registrado na 58 DP. Qualquer informação dever ser repassada a Polícia Civil. Deixamos nosso e-mail a disposição: maesdobrasil@portalkids.org.br

25 abril 2019

Linha cortante mata


Muita gente só se dá conta do perigo das “linhas cortantes” - como são denominadas as linhas usadas para cortar pipas - quando se torna vítima delas. Recentemente, um caso chegou a público causando espanto e horror. O da menina carioca Eloah Macedo, de 8 anos, que precisou amputar a perna direita quando, em companhia da mãe, Vanessa Macedo, atravessava uma passarela da Avenida Brasil, na altura de Realengo, Zona Oeste do Rio. O membro precisou ser amputado porque a linha atingiu a veia femural da criança.
O risco de atingir uma veia, decepar um membro ou morrer em consequência de uma degola é comum na vida de ciclistas e motociclistas. A antena, que passou a ser obrigatória para quem trafega de moto, não preserva a vida do motociclista, já que a linha tem o poder de cortá-la. Buscando proibir e criminalizar a fabricação e comercialização do produto, o grupo de motociclistas do Rio de Janeiro, Imortais, do qual Ary Ferrão, voluntário da Mães do Brasil faz parte, realiza inúmeras ações de conscientização. 

"A maioria das pessoas não têm consciência do quanto essas linhas são perigosas. Assim como aconteceu com a menina e sua mãe, que não viram a linha no momento em que atravessavam a passarela é impossível evitar ser atingido porque, esticada, fica invisívei. E corta tudo o que vê pela frente", esclarece o presidente do Imortais, José Paiva.
“A menina, por exemplo, estava andando a pé e não na velocidade que um ciclista ou motociclista atingem. Mesmo assim foi gravemente ferida”, alerta Paiva.
Segundo o presidente, são os adultos que lidam com essas linhas para competir entre si, e não os adolescentes.
“Não somos contra as pipas e sim contra essas linhas. Há competições que não prejudicam a vida das pessoas, como as pipas artísticas, por exemplo. Antes, tínhamos um telefone para denúncias e contávamos com o apoio da Polícia Civil para combatê-las. Perdemos essa ajuda e gostaríamos de retomar esse apoio”, pede Paiva.
Fica aí o alerta às autoridades. Resolvemos apoiar a campanha dos Imortais. Toda a semana eles deixarão um alerta em nossas redes sociais e contamos com o seu compartilhamento. Use a #linhacortantemata.