19 setembro 2014

Delegacia dos Desaparecidos será inaugurada no Rio

No ano de 2006, a Secretaria Nacional de Direitos Humanos, situada em Brasília, esteve no Rio de Janeiro na pessoa do então Secretário Dr. José Hilário Nunes de Medeiros, a convite do Departamento de Ciências Sociais da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) para participar de um seminário. A direção do Departamento nos apresentou o Secretário, que impressionado com a parceria entre o Portal Kids e a Delegacia da Criança e do Adolescente Vítima (DCAV), aceitou criar a primeira Delegacia de Desaparecidos do Rio de Janeiro, que inicialmente funcionaria na UERJ, sob o comando do então delegado da DCAV, Dr. Leonardo Tumiati. Só que o delegado acabou afastado do cargo e o projeto da primeira especializada em desaparecimentos mais uma vez naufragou.

Foram muitas as tentativas. Ano passado conhecemos, apresentada por Ivanise Esperidião, Presidente das Mães da Sé de São Paulo, a Maria Jovita Vieira, mãe da Priscila Belfort, desaparecida há uma década, quando saiu do trabalho para almoçar e nunca mais foi encontrada. Jovita já estava com um projeto determinado de criação da delegacia. Fomos mais um de seus apoiadores. No próximo dia 22 a tão necessária, sonhada e esperada delegacia será criada. Não é mais uma delegacia, mas um projeto excelente, porque Jovita teve o cuidado de pesquisar e sugerir o melhor para esta unidade.

As necessidades e expectativas são muitas mas o momento é de comemorar. E não há maneira melhor de fazer isso lembrando dos filhos que não puderam voltar em função da falta de uma política de atendimento no Rio voltada para desaparecimento de pessoas. Por isso, até o dia 22 de setembro troque a foto do seu perfil nas redes sociais pela foto de um desaparecido. Mantenha a foto em seu perfil até o dia 27, que é uma data que todos os olhos, no Brasil, se voltam para as crianças, independente de motivação religiosa.

Nos álbuns de nossa instituição no facebook: www.facebook.com/ONGPORTALKIDS vocês encontra fotos dos desaparecidos, adultos e crianças, buscados por nós, inclusive de nossa saudosa Priscila. Vem comemorar essa vitória imensa com a gente. São 15 anos de um sonho que agora será realizado. E você participa da festa exibindo a foto de um desaparecido no seu mural.

#voltapriscila
#justicaparaamanda
#portalkids
#maesdobrasil




01 setembro 2014

Em quem você vai votar?



Muitos candidatos têm nos procurado - como acontece em cada eleição - para oferecer solidariedade e propor reuniões. O discurso dos cabos eleitorais é sempre o mesmo: "Esta na hora das mães se unirem." Hoje uma mãe me procurou indignada para contar que ouviu esse a argumento quando ela se recusou a comparecer a uma reunião com um candidato com o conselho de que não deveria seguir ONGs. Vou reproduzir a resposta que ela deu.  

"Não vou em reunião de quem só quer se eleger usando minha dor, ignorando que foi através da união das mães que sempre lutaram juntas e a ação do Portal Kids que conseguimos avançar. "

Só para relembrar um pouco da nossa história: qual instituição correu risco de vida para investigar o sequestro de meninas em série no Rio de Janeiro? Qual instituição conseguiu provar que esses sequestros existiam e motivar autoridades a indiciar, prender e condenar criminosos? Qual instituição esteve do lado das mães quando foram acusadas de negligentes? Qual instituição prestou assessoria juridica, social e psicológica as mães e suas famílias? Qual instituição provou e combateu tráfico de órgãos,  tráfico humano, adoção ilegal, exploração sexual? Qual instituição deu visibidade a causa dos desaparecidos? Provocou mudanças na politica de atendimento?

Além do Portal Kids, têm as Mães da Sé e os Desaparecidos do Brasil. As ações provam, nosso trabalho fala por nós. Deve ser por isso que somos tão combatidas. O dia em que esses interesseiros tiverem trabalho e respeito pelo outro para mostrar talvez ganhem o nosso apoio.

21 agosto 2014

Respeitem nossa dor por Thais



Essa noite tive um pesadelo, cenas confusas sobre um exame de DNA que estava finamente sendo realizado para descobrir se Thais, a menina que buscamos desde o ano de 2005, está viva ou morta. Acordei aflita. O sonho até se justifica. Hoje, Elisabete Barros, a mãe de Thais, esteve no Ministério Público para tomar informações sobre a audiência que será realizada no próximo dia 26, que julgará a participação do suspeito do sequestro de sua filha de 9 anos, levada na véspera de Natal de2002 de uma feira livre em Vila Kennedy, subúrbio do Rio, quando comprava sorvete com um primo. O menino ficou, hoje é uma das testemunhas do processo.

No fim do ano passado, durante audiências da CPI da Exploração Sexual da Criança e do Adolescente e da CPI do Tráfico de Pessoas, a força tarefa designada para investigar o caso das meninas, garantiu que o exame de DNA seria finalmente realizado. Como também que a Delegacia dos Desaparecidos do Rio de Janeiro seria inaugurada em julho de 2014. Se as mães tivessem ido para a rua acorrentadas pelo pescoço – e não o foram porque as duas ações foram prometidas – será que o DNA já não teria sido realizado e a delegacia estaria funcionando?

Anos de luta para o julgamento emperrar pela falta de um exame de DNA. Será que as autoridades pensam por um momento o que esses 12 anos sem saber o que aconteceu com a filha, se está maltratada, prostituída, morta e os ossos enterrados como de uma indigente significaram para a vida da Elisabete? Ela nunca desistiu, mas está no limite de suas forças, saúde, tristeza e exaustão. Só mais um pedido autoridades brasileiras: Tenham respeito com a dor do semelhante. E se essa linda menina fosse filha de vocês?

Por Wal Ribeiro

wal.ferrao@portalkids.org.br

16 agosto 2014

Reportagem da TV Anhanguera

Assista a reportagem que a TV Anhanguera, afiliada da TV Globo, de Goiás, realizou sobre nossa instituição.
http://g1.globo.com/videos/goias/jatv-1edicao/t/edicoes/v/familias-relatam-dificuldades-em-encontrar-parentes-desaparecidos-no-rio-de-janeiro/3550866/



25 julho 2014

Almas paradas

 
 
Ontem estive na casa da Mãe do Brasil Jovita Vieira, mãe da Priscila Belfort, desaparecida há 10 anos. Me emocionei muito ao ouvir o depoimento da Jovita para a repórter Renata Couto, da TV Anhanguera, filiada da TV Globo em Goiás.  Flagrei com minha câmera esse olhar da Jovita e de outra Mãe do Brasil, a Graça Oliveira, mãe do Luan enquanto assistia a entrevista da amiga. Independente de raça, credo, condição social, as histórias são as mesmas, só mudam os personagens. Presencio ao longo de 15 anos as mesmas lutas, comuns no universo de todas as mães de desaparecidos: descrença, descaso, falta de investigação, morosidade da Justiça. E a busca constante e sem fim pelos filhos.
 
A pior das lutas é a falta de respostas. E o passar do tempo. Perceber que o tempo vai passando para todos: para os outros filhos, para os maridos, para a família, para os amigos é desesperador. O avançar do tempo exige das mães um avanço que elas não estão preparadas para realizar. Como prosseguir se a vida parou no exato instante em que o filho desapareceu.
 
Sim, elas avançam. Não se sabe como. Cumprem o papel de mãe, profissional, mulher. O corpo prossegue, mas a alma para junto com o desaparecimento do filho. Acho que a forte ligação das mães comigo vem justamente do fato de que acolho a revolta delas em manter a alma parada até que a resposta chegue. O que aconteceu? Pode não parecer mas existe uma atitude muito revolucionária nessa imobilidade da alma. Como disse Joana Sena, outra mãe que participou da entrevista ontem. "Não é possível para uma mãe continuar como se seu filho nunca tivesse existido ou se desintegrado no tempo."

Ontem a equipe de reportagem se mostrou encantada. Que sentimento é esse que une vocês? Amizade? União? determinação? É tudo isso, mas principalmente, a aceitação da imobilidade da alma onde o amor mora. Uma vez li que no vazio mora o verdadeiro sentido da existência. O que eu sei é que tem uma vida de muito significado no exato instante onde ela parou. Desse significado é que surgiram as mudanças conquistadas por mim e pelas Mães do Brasil.


Por Wal Ferrão
wal.ferrao@portalkids.org.br
 

24 julho 2014

Reportagem para TV Anhanguera


Hoje realizamos uma matéria para a TV Anhanguera, afiliada da TV Globo em Goiás. A reportagem começou com Jovita Belfort falando sobre a luta para conseguir criar a delegacia de desaparecidos no Rio, o legado que sua filha Priscila Belfort deixou à sociedade carioca. Um depoimento emocionante.

 

A matéria continuou na Lagoa Rodrigo de Freitas, Zona Sul do Rio de Janeiro, com Joana Sena. Uma das criadoras do movimento Mães do Brasil, Joana falou dos 20 anos de busca por sua filha Suzana Sena, que desapareceu aos 9 anos, ao sair para a papelaria que ficava próxima a sua casa em Bonsucesso, subúrbio do Rio. Graça Oliveira contou como é difícil uma mãe buscar um filho com necessidades especiais, como acontece com ela na busca por Luan, 16 anos, desaparecido quando deixou  sozinho a casa da avó em São Gonçalo. E Wal Ferrão, presidente do Portal Kids, descreveu o trabalho da instituição em relação ao projeto Mães do Brasil para a repórter Renata Couto.

 
Depois da entrevista uma selfie com a equipe da reportagem. Veja mais fotos em www.facebook.com/ONGPORTALKIDS

Parabéns Jéssica!

 
 
 
Hoje Jéssica completa 15 anos. Ela é integrante do Projeto Gente do Amanhã do Portal Kids. Com o apoio da Agência Internacional DKA Áustria o projeto oferece oportunidades de acesso a educação , lazer, cultura e programas de primeiro emprego à jovens de comunidades de baixa renda do Rio de Janeiro. Nesta foto, Jéssica realizou o sonho de participar de sua primeira experiência como modelo. Em breve, ela irá atuar em outro desfile, a convite da empresária Shirlei Gomes. Faça como Shirlei. Apadrinhe o sonho de um de nossos jovens ou apoie nosso projeto. Conheça mais sobre essa iniciativa em


Parabéns querida Jéssica. Uma vida iluminada!